Comunicado aos filiados

Em junho de 2021, os purpenses foram chamados a escolher - em Congresso - os novos líderes do Partido.

Depois de muita celeuma, e de muitas atitudes indignas de quem se intitula dono do PURP, o Tribunal Constitucional veio dar razão ao Presidente Fernando Loureiro e reconhecer os novos órgãos dirigentes, sufragados pelo IV Congresso Nacional.

O Partido seguirá, agora, em frente com o intuito de o fazer crescer e de representar o que lhe está na génese sem, contudo - e como definido na Moção vencedora do Congresso - se esquecer de acompanhar os tempos e a necessidade de mudança.

Pretende-se que o PURP seja o Partido de todos os filiados, independentemente do seu número de inscrição. Um partido político não é uma quinta e nem um feudo, onde cada um se autointitula seu proprietário, impedindo todos os outros de participarem, de votarem e de se candidatarem aos lugares que entendam. Tudo dentro dos estatutos e da Lei. Assim é a democracia. Assim será o PURP.

Depois de ser impedido de participar nas eleições autárquicas, cuja data se avizinha, o Partido tem um caminho árduo e longo a percorrer, por forma a estar pronto para os combates que surgirão. É o que esta nova equipa de dirigentes pretende fazer:

Devolver credibilidade ao PURP e evitar a todo o custo que interesses privados se sobreponham ao crescimento e interesses dos purpenses e do Partido.

O PURP pode - e vai - crescer. Os filiados estarão todos no comando, porque nada será feito sem que os novos órgãos se sintam como representantes de todos os que construíram, constroem e construirão o PURP.

Um partido político não pode viver de questiúnculas particulares. Um partido nasce para defender os interesses do coletivo e só será um Partido, se assim o fizer.

Muito trabalho há pela frente. Muitas questões internas estão para resolver e serão resolvidas. Com paz, tranquilidade, elevação e competência, tudo será mais fácil.

Acabaram-se as comunicações ofensivas e caluniosas; acabaram-se os comunicados feitos em nome do Partido sem a devida aprovação. Acabou muita coisa que nunca deveria ter começado…E vai começar uma nova era.

Chegou a hora de começar a trabalhar. Chegou o tempo de catapultar o PURP para a cena política nacional.

 

VIVA O PURP!

 

TODOS PELO PURP. TODOS POR PORTUGAL.