Comunicado da CPN 25-09-2021

COMUNICADO

 

O Congresso foi soberano, porque feito de acordo com as regras estatutárias e regulamentos, e confirmou a vitória apesar das tentativas de impugnação e de descredibilização do mesmo. Assim entenderam os envolvidos na magna reunião e assim o entendeu o Tribunal Constitucional.

Quando se pretende lisura e transparência, essas vêm ao de cima e não há a mínima hipótese de saírem denegridas por falsas declarações e afirmações por parte de quem apenas vê o seu orgulho ferido e a sua índole serem, finalmente, postas a descoberto por quem de Direito.

 

A intenção de encabeçar uma lista com os nomes que a compõem foi ponderada e analisada, sempre em função dos interesses do Partido.

Não há aqui “saltimbancos”. Há pessoas que saíram, de cabeça muito erguida de outro partido político e que, ao serem convidadas para o PURP, se identificaram com a sua carta de princípios e as suas causas.

Estas pessoas estão, ao contrário do apregoado, de bem com o seu percurso político e de bem com o deixado para trás. O futuro é o que faz mover as gentes e é o que mantém o país em laboração permanente.

Entenderam estas pessoas não estarem a usurpar nada, uma vez que, ao serem filiados do PURP, poderiam ser candidatos a qualquer órgão como, de resto, todo e qualquer filiado.

Se o PURP fosse, como alguns o queriam fazer entender, propriedade privada, não teria tantos filiados e ficaria apenas com meia dúzia de proprietários. Ora, o Partido é de todos os filiados, de todos os que se identificam com as suas causas e de todos os que sabem o que significam as palavras “liberdade” e “democracia”.

O PURP não é uma família pautada pela consanguinidade, logo, não há lugar a heranças e nem a transmissão de cargos qual realeza. O PURP é um partido da democracia e da república em que qualquer filiado pode ser opositor a qualquer dos cargos, desde que para isso esteja dentro dos ditâmes dos Estatutos.

A presidência do PURP será mantida. Assim, Fernando Loureiro continuará a encabeçar os destinos do PURP. Para levar a cabo esta missão, agregou dois empresários de sucesso: Paulino Ângelo e Pedro Pinho. Para além das suas atividades profissionais, são pessoas com experiência em cargos de topo na vida política.

O que conta aqui é a experiência que trazem para o PURP e a vontade inegável de trabalhar. Quem assistiu ao IV Congresso, não precisou de muito para verificar a diferença face a outros ocorridos.

Diferença na forma de trabalhar e de encarar a política como algo digno e sério. Diferença no modo como se organiza um congresso, diferença no modo como se conduzem trabalhos.

Estes, entre outros, foram os novos membros chegados ao PURP.

Prometem trabalho, empenho e dignidade. Prometem justiça e educação no trato com todos os filiados.

Prometem inspeção e a responsabilização de quem causou danos, talvez de difícil reparação, ao Partido. Ao PURP não basta sê-lo, tem que parecê-lo!

Uma coisa é certa: o PURP é um Partido que se comportará como se deve comportar um Partido:

Deve ser um exemplo para a sociedade quer em termos de equidade e de justiça quer em termos de educação e de rigor.

 Não vivemos sós no mundo. Não podemos pedir aos vários elementos da sociedade que sejam exemplares, se agirmos de modo contrário e desviante das normas sociais e das regras da boa educação e de convivência. Vivemos juntos e isso designa-se por “vida em sociedade”.

Todos os órgãos estão preparados para o que aí vem. Vamos fazer crescer o PURP, vamos agilizar a sua representação a nível dos principais distritos do país. Vamos chamar ao PURP os que saíram e os novos que nos podem ajudar a defender as causas em que acreditamos!

Viva o PURP!

Todos pelo PURP. Todos por Portugal

 

Fernando Loureiro/ Paulino Ângelo/ Pedro Pinho